O peso do consumismo infantil

Através do processo denominado de “babá eletrônica”, as crianças são entretidas com programações televisivas enquanto seus responsáveis cumprem deveres domiciliares, profissionais, obrigações e tarefas em geral.

Apesar de ser aparentemente inofensiva, a televisão é uma janela aberta para o exercício de influência do mercado de consumo sobre as crianças, pois altera valores essenciais e insere a mensagem equivocada de que para “ser” é preciso “ter”.

Tal manobra é reforçada pelo caráter passivo da criança, que não tem o instrumental necessário que lhe permita ser crítica, motivo pelo qual se torna mais receptiva às mensagens vinculadas e acredita fortemente nos atributos prometidos pelo anunciante.

Nossas crianças estão convivendo, cada vez mais cedo, com a volatilidade na experiência do consumo, pois se acostumam com mercadorias sendo substituídas em uma escala de tempo muito pequena.

Isso faz despertar os fenômenos de desejo e de capricho, ou seja, a sensação constante de que algo está faltando e que a saciedade desse desejo pode ser conquistada através do consumo.

Considerando a pouca valorização da brincadeira, a TV como a primeira opção entre a preferência de lazer entre as crianças brasileiras, os sintomas de sedentarismo, a alta exposição à mídia e um alto nível de consumo pode se observar, assim, um claro prognóstico para obesidade infantil.

E para agravar a situação de formação de maus hábitos alimentares, muitas vezes o alimento é utilizado pelos pais como recompensa.

Ainda colocando a televisão como agente contribuinte para o agravamento da obesidade infantil, Susan Linn, professora de psiquiatria na Escola Médica de Harvard, afirma que a incidência de obesidade é maior entre as crianças que assistem à televisão por quatro horas ou mais diariamente, e menor entre as crianças que assistem por uma hora ou menos.

Ao mesmo tempo em que as crianças são bombardeadas com mensagens que as tornarão obesas, elas – especialmente as garotas – são convencidas que deveriam ser incrivelmente magras, aumentando a incidência de distúrbios alimentares como bulimia e anorexia.

Se a publicidade por si já influencia o público infantil, a possibilidade de proporcionar entretenimento à experiência de consumo é capaz de potencializá-la.

Diversas redes de fast food fazem promoções e oferecem brindes às crianças ou associam o ato de comer com divertimento.

Segundo Susan Linn, nos últimos anos a literatura de marketing centrou-se na necessidade de a comida ser ‘divertida’. A indústria de alimentos refere-se ao fenômeno como ‘eatertainment’ (‘comertimento’).

O McDonald’s tem um produto desenvolvido exclusivamente para atender às necessidades e desejos do público infantil, o McLanche Feliz.

Nesse caso, a venda de um determinado produto alimentício está atrelada a uma promoção que dá direito a levar para casa também um brinquedo.

O brinde, por sua vez, explora personagens de filmes e desenhos de grande sucesso no momento.

A coleção muda rapidamente, o que torna difícil para a criança adquirir todos os brinquedos que fazem parte da mesma coleção.

Por isso, a partir do momento em que uma linha é lançada, trava-se uma verdadeira corrida às lojas, por parte dos mais aficionados.

A mensagem que fica é a seguinte: se você não conseguiu completar essa coleção, preste mais atenção na próxima. Você precisa consumir mais McDonald’s antes que os personagens da próxima linha se esgotem.

Os brinquedos com os quais são iludidos hoje não servem para amanhã. São como os jornais de um dia para o outro. A criança pode sentir-se frustrada com os seus brinquedos e objetos de entretenimento ao ter a impressão de que estão sempre defasados, em face dos novos que a publicidade lhe oferece e a cujo ritmo acelerado o orçamento familiar, na maioria dos casos, não pode se adaptar.

Esse processo pode influenciar na formação de uma nova perspectiva da infância, minando a inocência e motivando crianças a se tornarem consumistas hedonistas, além de afetar vínculos afetivos futuros, que se tornarão igualmente descartáveis.

Por tais motivos é importante que pais e educadores fiquem atentos e iniciem um debate sobre essas questões, visando minimizar ou prevenir os prejuízos para o desenvolvimento e saúde das crianças.

“Nossa época, embora fale tanto de economia, é esbanjadora: esbanja o que é mais precioso, o espírito”  (Nietzsche)

Francine Maria Carreira Marciano

Sobre blog Mosaico Prosaico

Advogada especialista em Direito do Consumidor, observadora, curiosa e aprendiz!
Galeria | Esse post foi publicado em Life. Bookmark o link permanente.

2 respostas para O peso do consumismo infantil

  1. Karina disse:

    Oi Fran! Você tem toda razão quanto a influência da televisão na educação da criança… também tenho discutido muito o comportamento dos pais de hoje em dia… a dificuldade em dizer não pra um filho por não querer lidar com a consequência – ‘choro’… já ouvi vários pais dizerem: ‘eh melhor comprar ou deixar mexer onde não deve, pra evitar o escandalo que ele(a) vai fazer’… Com o cansaço de hoje em dia por causa da rotina de trabalho, fica mais fácil ceder as vontades da criança ou usar a teoria da troca para conseguir um bom comportamento do filho(a)…
    Quanto ao consumo, vc viu a quantidade de apps que a Apple disponibilizou no iPad para as crianças? Ele tem sido considerado uma excelente babá eletrônica!!!
    Enfim, saí um pouco do seu tópico no meu comentário, mas conforme eu lia o seu texto fui pensando nessas situações e resolvi compartilhar com você! Super beijo!

  2. Perfeita observação, Ká!
    Acompanho diariamente o desespero e angústia de muitos pais na luta incessante para atender os desejos dos filhos…
    “Pai/Mãe, compra!!!” já virou o mantra dessa geração!!!
    Outro dia uma mãe confidenciou que “precisou” fazer um corte no orçamento doméstico para conseguir comprar um Nintendo Wii para o filho (parcelado em 12x).
    É uma roda viva insana…Os pais viraram máquinas de trabalhar e o filhos máquinas de consumir…tudo alimentado pela sensação de culpa pelas ausências.
    Por isso é importante DESPERTAR desse sono letárgico e abrir a discussão!!!!
    Obrigada pela participação, querida!!!!

    Bjs

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s