A inesquecível viagem solo – A saga (Capítulo I)

Sou uma pessoa apaixonada por experiências nas quais eu possa testar minha capacidade de conviver com pessoas difíceis, ou seja, comigo mesma!

Sempre sonhei em viajar sozinha para testar todos meus limites, até que um dia o universo conspirou em meu favor.

Numa bela manhã recebi um telefonema com um convite (irrecusável) da minha amiga Célia: conhecer a cidade onde ela e o marido moravam: Ravensburg, sul da Alemanha http://en.wikipedia.org/wiki/Ravensburg!

Contei meus planos para meu primo que mora em Londres e imediatamente fui intimada para visitá-lo também.

Why not?  

A Célia passou todas as diretrizes de forma tão perfeita, tão germânica, que a viagem parecia simples como um final de semana na praia.

Depois de vários dias de preparação, longas tratativas visando convencer o chefe e o namorado de que seriam “apenas” 16 dias longe do Brasil, lá fui eu para a minha experiência inesquecível:

Uma viagem para a Europa by myself (me belisca)!!!!

Frio na barriga, despedida emocionada no aeroporto (sempre acho que não vou voltar…rs) e fui.

Doze horas de viagem depois…uma escala em Madrid…e desembarquei em Zurich (Suíça), rezando para que a Célia estivesse me esperando.

Ao passar pelo portão de desembarque, avistei minha amiga que não via há mais ou menos 10 anos!!!!

Fiquei tão empolgada, que comecei acenar, gritar e pular feito uma  criança quando vê o Papai Noel pela primeira vez.

Imediatamente minha alegria foi interrompida por um “armário suíço” que me puxou para uma entrevista numa salinha.

“Que-foi-que-eu-fiz-homem-de-Deus???” (pensei), mas respirei fundo, reuni todas as frases do meu advanced english course enferrujado e falei: What´s going on, sir?” 

Caraca, não é que eu estava sendo investigada? Ele achou muito estranho: brasileira, sozinha, em Zurich? Boa coisa não deveria ser. Pura xenofobia!

Mas nessa hora lembrei que eu tinha o antídoto!!!

A Célia, no intuito de evitar todos os percalços possíveis , enviou ao meu e-mail DUAS cartas convites antes da viagem (uma versão em inglês e outra em alemão) contendo todas as informações necessárias relativas à minha estadia.

Mostrei para o “simpático” senhor do aeroporto (esfreguei as duas versões na cara dele, humpf!) e expliquei o motivo da minha viagem.

Minutos depois, sentindo-me tão poderosa como Willian Wallace no filme “Coração Valente,”pensei (sim, a essa altura já pensava em inglês): F-R-E-E-D-O-M!!! 

Aiiiiiiiiiiiiiiiiiii que alívio!!!!

Brindei com minha amiga a saída do aeroporto com uma bebida láctea deliciosa (não perguntem o nome – sob o efeito do jet leg não lembrava nem quem eu era).

Eu estava completamente encantada. A Suíça é tão limpa, tão perfeita, tão organizada que mais parece cidade cenográfica.

Conversamos durante todo o trajeto do aeroporto até a casa dela na Alemanha.

Eu estava passada de sono…cansada da viagem…mas ao mesmo tempo curiosíssima para conhecer o lugar.

Paramos num restaurante e a conversa não cessou um único segundo. O garçom chegou, ela pediu a bebida, escolhemos os pratos e continuamos nosso papo.

Uma hora depois… nada da comida chegar.

Comecei a desconfiar da competência dos alemães e sentir saudade dos famosos self services brasileiros, mas não paramos de falar.

Até que a Célia chamou o garçom e perguntou o motivo da demora (acho que foi isso, porque nessa hora eu estava faminta e tonta diante daquele dialeto gutural) e adivinhem:

A CÉLIA HAVIA ESQUECIDO DE FAZER O PEDIDO DOS NOSSOS PRATOS!!!!

Crises homéricas de risos…

Como não entendi nada do que ela falou com o garçom, por mim estava tudo em ordem.

Ufffffffffff…achei que tinha presenciado a primeira incompetência alemã, quando tudo não passou de um lapso de duas brasileiras tagarelas.

“Falam muuuuuuuuuuuito”!!!!!

(Aguardem os próximos capítulos…)

Francine Maria Carreira Marciano

Sobre blog Mosaico Prosaico

Advogada especialista em Direito do Consumidor, observadora, curiosa e aprendiz!
Galeria | Esse post foi publicado em Life. Bookmark o link permanente.

5 respostas para A inesquecível viagem solo – A saga (Capítulo I)

  1. edsonselos disse:

    risos… estou ansioso para ler os próximos posts…
    abraços.
    edson

  2. Bruno Machado disse:

    “Comecei a desconfiar da competência dos alemães e sentir saudade dos famosos self services brasileiros, mas não paramos de falar(…)”.

    Confesse: nesse momento você sentiu saudades do buffet do Restaurante & Lanchonete Marlon!

  3. Janaina disse:

    Kkkkk Muito boa a sua experiência Fran. Adorei a parte da despedida “Frio na barriga, despedida emocionada no aeroporto (sempre acho que não vou voltar…rs) e fui.”, eu sempre penso assim, mas estou convencida que todos pensam assim…
    Sou medrosa assumida, mas mesmo com todos os meus medos eu enfrento os para superar meus limites e provar pra mim mesmo que eu posso e consigo!
    Vou continuar acompanhando seu blog. Adoro ler!
    Beijo

  4. GILBERTO B MANAIA disse:

    Adorei, até parece que eu estava de guarda costas com vc presenciando tudo e até falando em ingles e alemão, e eu fiquei até aguardando o meu prato que até agora não sei o que comi. Mas enfim foi muito legal esta sua aventura, estarei aguardando o proximo capitulo. Beijos.

  5. Irineu Fernandes disse:

    Francine nesse primeiro capítulo (interessante que li) você me remeteu a uma lembrança dos meus 25 anos de casamento, em 04/2000, quando movido por uma empolgação resolvi fazer uma surpresa para minha mulher e, sem ela saber, comprei passagens para a Espanha… até ai tudo bem, pois saímos do Brasil com a certeza de que lá teríamos um guia a nossa espera, mas não havia ninguém…até meu nome havia sido trocado…
    Passamos um sufoco e a vontade de voltar acelerou nossa ansiedade da preocupação, mas falando e não sendo entendido e ouvindo e não entendendo acabamos chegando em nosso Hotel, mal chegamos no quarto descemos e pegamos uma excursão para Toledo, estávamos perdidos mas não poderíamos e tivemos que nos virar para não perdermos os passeios… bom só contei um pouquinho, Francine te agradeço por você ter me feito recordar destes momentos.
    Um abraço e parabéns por sua história vivida e compartilhada, essa sua experiência Tb deve ter sido da hora.
    Irineu Fernandes

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s